• (11) 3063-4630 / (11) 98108-6767
  • contato@artehall.com.br

  • AgendaArtista Marco Giannotti expõe “Entropia”

    voltar para a agenda10/6/15 | quarta-feira

    Portal de Arte Moderna – Artista Marco Giannotti expõe “Entropia”

    Marco Giannotti – Entropia

    th_9458c1ab8aaf876d8c0f5e0e40eafe4c_giannotti_fb

    10/06/2015 a 01/08/2015

     

     

    Abertura: 10 de junho, às 19h – até 01 de agosto de 2015

    Prestes a celebrar seus 30 anos de carreira, o pintor e professor de pintura da ECA/USP Marco Giannotti apresenta – Entropia – exposição que reúne cerca de 10 telas em diferentes dimensões, ocupando o segundo piso da Galeria Raquel Arnaud. O artista partiu de resíduos urbanos como grades, estruturas, fragmentos e plantas para criar essa nova série. Os objetos foram impressos sobre a superfície das telas, de modo a criar imagens sob um fundo intensamente cromático. Para realizar tais impressões, Giannotti empregou as mais variadas técnicas: da pintura à óleo, passando pela têmpera, até o graffiti.
    Privilegiando a pesquisa cromática ao longo de sua trajetória, Giannotti afirma que as cores surgem nas superfícies e nos volumes e parecem se transformar a cada instante, criando “um mundo em suspensão”. Para o artista, as figuras parecem flutuar, desafiando as regras da gravidade e da perspectiva e evocam um sentimento em que tudo “que é sólido se desmancha no ar” e, de certa maneira, refletem sobre o contexto atual.Sobre o artista
    Marco Giannotti (São Paulo, 1966) vive e trabalha na capital paulista. Entre 1977-1980, frequenta o ateliê de Sérgio Fingermann, onde aprende desenho e gravura em metal. Bacharel em Ciências Sociais pela FFLCH/USP (1988), defende, em 1993, Mestrado em filosofia pela mesma faculdade com a tradução e introdução crítica da Doutrina das Cores, de Goethe. Neste ano, realiza uma grande individual no MASP intitulada “Fachadas”. Em 1998, defende a tese de Doutorado na ECA-USP realizando uma reflexão crítica sobre o fenômeno cromático na arte moderna.
    Ao longo da carreira, participa de importantes exposições nacionais como: “Arte Contemporânea São Paulo: perspectivas recentes”, no Centro Cultural São Paulo em 1989, “Panorama da Arte Atual Brasileira”, no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1990 e 1993, “Arte/Cidade: cidade sem janelas” em 1994, bem como de exposições internacionais como a II e a III Bienal do Mercosul em 1999 e 2001 e a Bienal de Cuenca no Equador em 1987, entre muitas outras. Em 2007 realiza uma exposição individual na Pinacoteca do Estado e lança o livro Passagens, editado pela Cosac Naify, reunindo os últimos 20 anos de atividade pictórica do artista. Em 2011, a editora espanhola Dardo publica uma nova antologia de trabalhos mais recentes com textos de David Barro e Ronaldo Brito.
    Em 2008, foi professor visitante em Yale e, de março de 2011 a março de 2012, leciona na Universidade de Estudos Estrangeiros de Kioto. Após o período de intensa pesquisa sobre a cultura japonesa, o artista publica, em 2013, o livro Diário de Kioto (WMF Martins Fontes), em que reúne fotografias, colagens com papel japonês e artigos escritos para o jornal O Estado de S. Paulo. É representado pela Galeria Raquel Arnaud desde 2008.