• (11) 3063-4630 / (11) 98108-6767
  • contato@artehall.com.br

  • AgendaCasa Triângulo apresenta individual de Albano Afonso – Anatomia da Luz

    voltar para a agenda

    Albano Afonso  Anatomia da Luz

    Casa Triângulo tem o prazer de apresentar Anatomia da Luz, a nova exposição individual de Albano Afonso na galeria.

    Albano Afonso realiza exposição individual no Oi Futuro Flamengo, no Rio de Janeiro, em cartaz até o dia 26 de outubro de 2014. Em 2015, o artista terá duas exposições individuais simultâneas em museus nos EUA: Across the Universe Part I, com curadoria de Steven Matjic, Contemporary Arts Center e Across the Universe Part II, curadoria de Alice Gray Stites e Steven Matjico, Contemporary Arts Center, ambas em Cincinnati, complementando a maior exposição panorâmica na carreira do artista.

    albano_detalhe_01_bx

    Anatomia da Luz sintetiza elementos fundamentais da poética do artista: a investigação sobre estruturas morfológicas dos corpos e o comportamento das fontes luminosas, seus reflexos, refrações e o modo como elas tornam o mundo visível.

    Estabelecendo um diálogo entre a arquitetura da galeria e o observador, esta instalação site-specific compõe, por meio da luz, sombra e movimento, um jogo de percepções onde o olhar pousa para além da obra, revelando imagens que exploram o espaço construído como parte ilusória da realidade.

    A partir de cristais, espelhos, esculturas, vídeo e projeção de luz, Albano Afonso enfatiza os efeitos ópticos para gerar uma atmosfera em constante mutação, que impregna o espaço e o observador. Entendendo a luz como elemento condutor, as peças apresentadas configuram diferentes perfis plásticos que propõem um diálogo com a pintura, a fotografia e o cinema.

    Albano_vista_geral_bx

    Luz e sombra no trabalho de Albano Afonso não constituem exatamente uma oposição. Só percebemos a sombra porque há a luz, por isso elas são interdependentes, subordinadas uma à outra. Anatomia da Luz equilibra opostos e nos mostra que o invisível não é apenas o campo da sombra, nem o visível somente o da luz, mas que há entre eles uma dependência mútua, luz e sombra são inseparáveis, como afirma o crítico de arte Cauê Alves, que assina o texto de apresentação da exposição.