• (11) 3063-4630 / (11) 98108-6767
  • contato@artehall.com.br

  • AgendaEm exposição na galeria LOGO, Sesper apresenta instalação e obras formadas por detritos culturais

    voltar para a agenda

    No dia 13 de agosto, a galeria LOGO inaugura exposição de Sesper, sua primeira individual no espaço. Na mostra, intitulada “Reprovado”, o artista, sucesso nas edições mais recentes da SP-Arte e da ArtRio, apresenta uma instalação e dez novas obras – painéis de grandes formatos em técnica mista, nas quais dá ênfase ao relevo e camadas sobrepostas. A exposição fica em cartaz até 05 de outubro.

    sesper3_bx

    A instalação criada para “Reprovado” é composta por uma assemblage de objetos encontrados ou colecionados por Sesper. São camadas de significados particulares que povoam seu universo, que permeia e se relaciona aos movimentos de contracultura urbana. A obra é uma figura em grande escala, como um gigante, diretamente aplicado sobre as paredes de uma antessala da exposição.

     

    Nas obras dispostas ao longo da galeria, Sesper trabalha com a mesma técnica da instalação, formando figuras humanas a partir da aglutinação de detritos culturais, como textos, recortes e objetos, revelando dinâmicas de exploração e controle social. As obras dessa série apresentam temas recorrentes no trabalho artístico de Sesper, em especial o volume através da sobreposição. Dessa vez, porém, essa profundidade é sublinhada pela utilização de camadas de recortes dos próprios painéis. “Esse foi um momento de transformar minha técnica na criação das obras, de certa forma mantendo os temas da minha produção anterior. A pintura e a colagem aconteceram em painéis de madeira já com a intenção de cortar e reconfigurá-los”, explica o artista.

    sesper1_bx

    Em suas composições, Sesper parte de uma pré-seleção de materiais para desenvolver uma relação particular, tanto entre colagem e pintura, como entre forma e textura. Alternando o completo domínio e o acidente, o artista extrapola os limites de cada painel. “Passei a trabalhar já pensando em serrar os painéis, organizando os elementos no espaço como em um kit Revell de armar. Depois percebi que as sobras da madeira eram a melhor parte e acabei incorporando-as aos trabalhos”, comenta Sesper.

     

    Pôsteres educativos, revistas velhas e equipamentos obsoletos estão entre os materiais reutilizados nas colagens. Nelas, o artista usa ainda documentos e objetos pessoais – seus e de amigos. “Aos elementos carregados de significado sentimental, por vezes relíquias de subculturas urbanas, soma-se a própria obra anterior do artista em seu interminável processo de retroalimentação visual: vestígios e impressões de partes de obras e fragmentos de produtos criados pelo artista; originais e transposições de seu trabalho nos mais variados suportes e técnicas são transformados e reutilizados”, analisa o galerista Lucas Ribeiro “Pexão”.

     

    “A tensão entre o prazer retiniano e o peso da interpretação das obras funciona como analogia aos bens de consumo que permeiam a vida contemporânea e as próprias composições do artista”, diz ainda Pexão. Em suas obras, Sesper utiliza produtos com apelo de forma e funcionalidade, porém resultantes de processos de produção escravizantes e geradores de danos ambientais, tanto em sua fabricação quanto em seu descarte. “Vale notar que Sesper não se coloca aqui como exemplo a ser seguido, não faz distinção entre o lixo do mundo e o seu, considerando-se, de fato, reprovado. Tanto é que sua obra está repleta de projeções diretas de sua personalidade, de representações de fatos pontuais de sua vida e de autorretratos. Mas reconhecer essa posição, de reprovado, e ter a disposição para reconfigurar o caos a nosso favor, no final, pode ser a única saída”, finaliza o galerista.

     

    Sesper
    Alexandre Cruz passou grande parte de sua adolescência andando de skate, criando fanzines e gravando fitas K7 em Santos, SP. Depois de integrar diversas bandas independentes, no início dos anos 90 inicia o grupo Garage Fuzz, no qual é vocalista até hoje, além de manter outros projetos musicais. Em São Paulo, passou a intervir nas ruas com adesivos e pôsteres, adotando o pseudônimo Sesper, enquanto também difundia sua arte através de estampas de camisetas para marcas de streetwear e capas de discos para selos independentes ou grandes gravadoras, entre outros produtos. Em paralelo, desenvolveu trabalhos em atelier que passaram a ganhar visibilidade em espaços expositivos. A matéria prima de suas colagens rasgadas, geralmente orientadas pelo desenho e complementadas pela pintura, pode vir de coleções preciosas de revistas, zines, discos e cartas, assim como de trabalhos que produziu digitalmente e foram impressos em processos industriais para outros fins. Sesper também atua como curador, sendo um dos fundadores do seminal espaço expositivo Most e tendo participado da curadoria da mostra itinerante TRANSFER. Como documentarista/videomaker, dirigiu “RE:Board”, o resultado de uma extensa pesquisa sobre a história da arte nas pranchas de skate brasileiras, que também se tornou exposição no Brasil e nos Estados Unidos. Trabalhos de Sesper integram coleções de instituições de renome, como Itaú Cultural e Instituto Figueiredo Ferraz.


    Sobre a Galeria LOGO

    A galeria de arte LOGO nasceu do alinhamento de três pontos de vista distintos para a arte contemporânea: Carmo Marchetti, Lucas Ribeiro “Pexão” e Marcelo Secaf. Tem como proposta apresentar e discutir a arte que emerge de universos paralelos, de iniciativas independentes e culturas urbanas; uma visão que considera a produção dos artistas em toda sua amplitude, além dos circuitos das galerias e museus, evidenciando a relevância de suas obras para a sociedade. A LOGO busca essa percepção, enquanto proporciona uma plataforma para o contato com a arte, uma parceria dinâmica com os artistas, num sistema de troca de ideias e experiências.

     

    Artistas representados: Adriano Cinelli (Onio), Alberto Monteiro, Alex Hornest, América Sanchez, Andrés Bruck, Bruno 9li, Carlos Issa, Doma, Emerson Pingarilho, Fabiano Rodrigues, Fabio Zimbres, Felipe Yung (Flip), Flavio Samelo, Gustavo Eandi, Jayelle Hudson, Lauro Roberto, Lin Yi Hsuan, Luciana Araujo, Nicolás Sobrero, Patricia Furlong, Paul Loubet, Pedro Caetano, Rimon Guimarães, Sesper, Talita Hoffmann, Tomas Spicolli, Walter Nomura (Tinho) e Weaver.

     

    www.galerialogo.com