• (11) 3063-4630 / (11) 99957-1753
  • contato@artehall.com.br

  • Agendagaleria marcelo guarnieri | são paulo

    voltar para a agenda20/5/17 | sábado

    galeria marcelo guarnieri | são paulo apresenta 

    FLÁVIA RIBEIRO. ENTRE OBJETO E SER

    abertura
    20.05.2017 / 14h – 18h

    web_flavia-ribeiro-02

    • web_flavia-ribeiro-03web_flavia-ribeiro-05-abweb_flavia-ribeiro-05-bweb_flavia-ribeiro-06web_flavia-ribeiro-05

    FLÁVIA RIBEIRO. ENTRE OBJETO E SERgaleria marcelo guarnieri | são paulo

    abertura
    20.05.2017 / 14h – 18h

    período de visitação/exhibition
    20.05 – 01.07.2017


    Alameda Lorena, 1966
    São Paulo – Brasil


    Suponhamos que inicialmente seja desenho. As formas que surgem desconexas na imaginação de Flávia Ribeiro precisam, em algum momento, de um papel para se materializar, mesmo que seja apenas na visão. Uma espécie de anteparo, talvez, por onde possa deslizar qualquer tipo de material que deixe seu rastro. Ganham a certeza do traçado para alcançar, logo depois, a maturidade de um formato. Desenho como ferramenta do pensamento, como um primeiro encontro presenciado pela artista, entre aquilo que estava dentro e que agora está fora de si.Suponhamos que inicialmente não seja desenho. Desinvestido de sua função de projeto, o desenho existe apenas como um segundo encontro, uma forma de entender, no plano, aquilo que já foi modelado no espaço. Uma espécie de tradução. É assim que surgem, no papel, tipos diversos de algo parecido a estruturas empilhadas, que podiam bem ser esqueletos de cadeiras ou mesas sem tampo. Embora sustentadas por pernas finíssimas e desajeitadas, parecem robustas, e talvez por essa ambiguidade, nos deixem confusos sobre o seu tempo de vida: seriam ainda esqueletos, em processo de fortalecimento para um dia suportar a carne, ou seriam já esqueletos, pura carcaça? Não ocupam sozinhos o espaço do papel, dividem o plano com campos de cor que podem vir em amarelo ou cinza, delimitados pela forma assertiva de um retângulo. Talvez seja da cor que se trata a carne. Na segunda dimensão, é ela quem tenta preencher o vazio dos corpos-esqueletos construídos pela artista.

    Suponhamos, então, que inicialmente seja o espaço. Testar peso, tamanho, equilíbrio e textura. Tocar, moldar e fundir para descobrir do que se trata. Mexer nas coisas e fazer parte delas, doar um pedaço do próprio corpo por meio do gesto. Ribeiro precisa trazê-las para a terceira dimensão, transformá-las, enfim, em coisas: coisas que pesam, imóveis sobre o chão ou pendentes no ar. Pesam também no tempo, quando fundidas em bronze, matéria que carrega o valor da história e o símbolo da eternidade. O bronze, aqui, dá corpo à estruturas tortas, aparentemente frágeis, mas que, evidentemente, jamais quebrarão; petrifica um galho de árvore, eximindo da matéria-orgânica seu desejo maior: a vida.

    Aliás, não seria a própria experiência da vida uma questão no trabalho de Flávia Ribeiro? Bem distante da abordagem literal ou religiosa, Ribeiro nos permite refletir sobre ela a partir de noções como movimento e transformação. Seus objetos parecem estar sempre em trânsito, pulando da terceira para a segunda dimensão, ou da segunda para a terceira; assumem múltiplas formas de existência, sendo papelão e parafina para logo então ser bronze, ou ser guache para depois ser veludo; podem articular-se em módulos como peças soltas, o que lhes permite infinitas combinações; também podem ser pendentes a partir de pontos de apoio fixados na parede, atestando a força da gravidade que rege e organiza nossa forma de vida neste planeta; constroem-se a partir do desejo constante de cercar espaços cheios de vazios, reivindicando seu direito de existência entre o tudo e o nada; evidenciam, enfim, em suas superfícies, o vigor do gesto de uma mão inquieta, seja no traço do lápis, seja na modelagem da parafina. Assim, somos instigados a acompanhá-los, caminhando pra lá e pra cá de modo a alcançá-los, curvando a coluna ou esticando o pescoço, sentindo no corpo e na alma o efeito de suas variadas texturas, dimensões e atmosferas; aliviados quando diante das superfícies lisíssimas do gesso ou sufocados pelo preto absoluto de uma manta de feltro muito grossa. A relação que estabelecemos com os trabalhos de Flávia Ribeiro, aliás, não precisa ser mediada pelas palavras, afinal, ninguém precisa nos dizer que estamos vivos: podemos sentir.

    Flávia Ribeiro apresenta nesta mostra, trabalhos, em grande parte desenhos e esculturas, produzidos entre 2014 e 2017. Apesar de se apresentarem visualmente distintos entre si, todos eles são parte integrante de um mesmo conjunto de interesses de Ribeiro, que passam pelas questões da matéria, do corpo e da linguagem, e embora sejam pensados como peças individuais, possuem uma forte relação de irmandade tanto no processo de produção, quanto na montagem da exposição. “Entre objeto e ser” é a primeira de mais duas mostras individuais de Flávia Ribeiro que serão apresentadas nas unidades do Rio de Janeiro e de Ribeirão Preto da Galeria Marcelo Guarnieri.


    Flávia Ribeiro nasceu em São Paulo em 1954, onde vive e trabalha.
    Frequentou a Escola Brasil, no início dos anos 1970, onde foi aluna de Carlos Fajardo, José Resende, Frederico Nasser e Luiz Paulo Baravelli. Em 1978, mudou-se para Londres, onde frequentou o curso de gravura na Slade School of Fine Art. Posteriormente, em 1996, voltou a morar em Londres com o apoio da Fundação Vitae e do British Council.Principais exposições individuais: Mecânica, Projeto Parede, MAM, São Paulo, Brasil; Atravessamentos, Galeria Millan, São Paulo , Brasil; Gabinete de Leitura, Galeria vermelho, São Paulo, Brasil; Reliquiae Rerum, Capela do Morumbi, São Paulo, Brasil.

    Principais exposições coletivas: O espírito de cada época, IFF – Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brasil; Ouro, CBBB – Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil; 18° FEstival de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, SESC Pompéia, São Paulo, Brasil; Gravura Extrema, Centre de la Gravure et de L’Image Imprimé, Bélgica; Entre/Aberto, XI Bienal Internacional de Cuenca, Equador; Gabinete de Desenho, Museu de Arte Moderna, São Paulo e Galeria Mirante, Caixa Cultural, Salvador, Brasil; Modernos, Pós Modernos, Etc, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil; Novas Aquisições, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife, Brasil; Calming the Clouds, The Foundation 3.14, Bergen, Noruega; Arte Cidade III, Indústrias Matarazzo, São Paulo, Brasil; V International Istambul Biennial, Imperial Mint, Istambul, Turquia; A Little Object, Centre for Freudian Analysis and Research, Londres, Inglaterra; 20a e 23a Bienal de São Paulo, São Paulo, Brasil.

    Coleções que possuem seus trabalhos: Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil; Coleção do Itamaraty, Brasília, Brasil; Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife, Brasil; CACI, Centro de Arte Contemporânea Inhotim, Brumadinho, Minas Gerais, Brasil; Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brasil.