• (11) 3063-4630 / (11) 98108-6767
  • contato@artehall.com.br

  • NotíciasObras inéditas de Olga e Jim Amaral estarão na SP Arte 2015 representadas pela galeria francesa Agnès Monplaisir

    voltar a lista de notícias16/03

    Obras inéditas de Olga e Jim Amaral estarão na SP Arte 2015 representadas pela galeria francesa Agnès Monplaisir

     Maquina infernal 5 (???), 2014

    No seu segundo ano de participação na SP-Arte, a galeria Agnès Monplaisir apresenta dois artistas com carreiras confirmadas internacionalmente, porém ainda pouco conhecidos no Brasil: a artista colombiana Olga de Amaral, e o artista americano, baseado em Bogotá, Jim Amaral. A galeria traz um conjunto de obras recentes dos dois artistas, todas elas exibidas pela primeira vez no Brasil.

     

    As obras de Jim Amaral evocam mundos além da nossa realidade, onde o tempo é eterno, povoado por figuras quiméricas que habitam o inconsciente do artista e que remetem ao inconsciente atemporal da humanidade. Na obra de Olga, a eternidade é materializada pelo mineral incrustado no tecido e que, silencioso e imóvel, transforma a obra numa forma de monumento, o que pode ser conferido com clareza na instalação Estelas, 2007-2013.

     

    Jim e Olga são casados desde o final da década de 50 e essa convivência  influenciou tecnicamente um ao outro, como não

    poderia deixar de ser. Quando Jim passou a utilizar o gesso na década de 70, para dar mais rigidez ao papel, Olga também começou a experimentar o mesmo material que, finalmente, transformou o seu trabalho.

    As criações de Olga de Amaral revelam a admirável combinação de textura, cor e espaço do trabalho têxtil-escultural que caracterizam a obra da artista. Suas composições tridimensionais, que resultam de uma integração total entre estrutura e superfície, são produzidas por um processo longo e delicado que começa pela fabricação artesanal da tapeçaria. Olga utiliza a fibra de lã, sisal, algodão, linho e outras matérias-primas que vêm sendo usadas pelo homem há séculos. Pela tecelagem, a artista obtém fios que ela dispõe manualmente de forma a produzir uma intricada estrutura.